terça-feira, maio 22, 2018

Julio Pomar 10 Jan 1926 - 22 Mai 2018

Sem me dar conta há pessoas que me acompanham nas horas mais "minhas".

Julio Pomar foi um deles.
Três trabalhos dele no meu quarto.
Dois no consultório .
Identifico-me com o traço. Daquelas coisas não pensadas. Existem. Estão. Fazem parte dos meus dias.

E vão continuar a fazer

Praia - um dos que está no meu quarto

Um texto de António Lobo Antunes:

“O Júlio Pomar disse-me sempre em alturas difíceis da minha vida
– Aguenta-te
que de facto é a única coisa que se pode dizer. E eu tento aguentar, fingir que aguento quando sinto que me desmorono dentro de mim. Há sempre uma parede ou outra, ou um bocado de parede, que resiste e encosto-me a ela pensando
– Quando é que irá cair, quando é que irá cair?
Talvez caia, talvez não. E, se não cai, conseguiremos levantar de novo tudo o resto? Ou uma parte do resto? Ou um resto do resto? Amanhar uma espécie de tecto? Ou sentar-me no chão, ao lado das pedras, sem olhar para elas? Sentir que me desmoronei também, me tornei uma ruína igualmente? O Júlio
– Aguenta-te
quer dizer, a voz do Júlio num ponto qualquer em mim
– Aguenta-te
isto é não o Júlio, só a voz, entre poeira que assenta e tijolos quebrados
– Aguenta-te
dois olhos pequeninos atrás de óculos grossos
– Aguenta-te
comigo a tentar agrupar-me, juntar-me todo, defender--me, proteger o que sou, o que teima em existir de mim e que não sei se me pertence ou está para ali como um velho retrato desfocado, do qual se não distinguem bem as feições. Torno-me uma pequenina coisa informe algures no meu corpo, torno-me um pingo de nada em silêncio, porém um silêncio que grita embora nem eu mesmo o oiça. Apercebo-me que grita apenas porque os meus ossos vibram, reduzidos a fios. Vida, vida, quanto tempo duras tu de facto? Prolongas--te por abril, maio, junho, julho, agosto, até ao setembro dos meus anos? As marés do equinócio a que eu assistia da muralha sobre a praia, as ondas que à noite, em criança, escutava da cama, no escuro, numa fúria teimosa, misturada com a inquietação dos pinheiros. Onde se escondem os melros à noite? Na garagem? No canavial? A repetirem
– Aguenta-te?
E, de repente, ignoro porquê, aparece-me Monsaraz na cabeça, as luzes de Espanha, há tantos anos que isto foi. Nossa Senhora da Lagoa, os homens a cantarem na capela abandonada, que grande é o passado, ou calor de assadura ou frio de sepultura. Um cão magríssimo rente às casas. Mulheres velhas sentadas. Saudades do Guadiana, a ribeira como lhe chamavam, barcos em forma de folhas.
– O que está o senhor a fazer?
– Estou escrevendo.
– Pois: olhar para dentro.
Isto a Margarida, gorda, rugosa. Olhar para dentro, a melhor definição que escutei. A açorda de cardos dela, a respiração da água no barro. Olhar para dentro. A vida inteira a olhar para dentro, eu a passear no castelo com a Isabel.
– Pai, o que é?
– Não é nada
– Pegue-me ao colo.
Porque vértices de pedras, porque lagartixas. Pegue-me ao colo é o meu sangue noutro corpo, separado pelas nossas peles mas o mesmo, alegra-me pensar que o mesmo. O que te acontecerá quando fores grande?
– Vou ser grande, pai?
– Muito grande.
– E quando for muito grande sou pequena também?
Claro que sim. Mesmo enorme hás-de caber nos meus braços. Besouros, vespas
– Tenho medo das vespas
com aquelas cinturinhas finas, aquela zanga. As raízes da figueira que levantavam a rua. Ver o sol pôr-se. Não ver nada. Ver o sol pôr-se outra vez.
– Se tu quisesses corríamos de mão dada até Reguengos.
– Porque é que Reguengos se chama Reguengos?
– Não faz mal, é só um nome.
– Como Isabel?
– Como Isabel.
– Como António?
– Como António.
– O meu avô também é António. Chama-se Avô António e o pai só se chama António.
– Pois é, olha só me chamo António.
– Menino Antoninho não se aproxime do lago que ainda cai lá dentro.
– Se cair lá dentro como um peixe inteiro.
– Que horror!
Nesse tempo, quando eu era capaz de comer peixes vermelhos, não havia António. Nem Isabel. Nem Reguengos. Havia tias, havia o senhor José a regar. Ao tirar o chapéu ficava-lhe um vinco na cabeça grisalha.
– Porque é que os cabelos ficam brancos?
– É da idade.
– O que é a idade?
– É quando a gente somos velhos.
– Eu não envelheço, pois não?
– Claro que não, menino.
E se não fosse março não envelhecia.
O senhor José morreu há muito tempo. Vestia uma espécie de fato-macaco, andava sempre com uma mangueira. Dois lagos no jardim, um grande e um pequeno. O grande com um caramanchão e de pedra. O pequeno de azulejos, mais perto da casa. Eu a descobrir coisas: vermes, gafanhotos. Uma bomba de gasolina na estrada, às vezes tropa a marchar. Os dois castelinhos das Portas de Benfica, árvores à esquerda, mendigos. A carroça do rapaz corcunda que vendia leite e descia com dificuldade lá de cima. Nunca lhe soube o nome mas invejava-o: queria ser grande muito depressa para vender leite também, mas depois de crescer já não me apetecia vender leite: somos tão inconstantes. Mas, como aconselha o Júlio
– Aguenta-te
e lá me aguento, que remédio. Encostado à minha única parede aguento-me. Não uma parede inteira, um pedaço. Sempre é melhor que nada. E talvez consiga ficar assim muito, muito tempo.”

António Lobo Antunes

sábado, maio 19, 2018

Bairro alto

Menina Boop, com 14 anos está a ter a sua primeira experiência de saída à noite no Bairro Alto.

Eu, "mãe extremosa"  estou no carro à espera da princesa....
Que rápido crescem!!!!!

Que seja a primeira de muitas e com muito juizinho !



PS - Ainda é muito cedo para Bairro Alto. Tem tempo de crescer... Há-de voltar seguramente mas espero que não tão cedo. Estava a ensaiar uma de mãe moderna, mas.... é cedo!
Correu bem! Gostou! Portou-se lindamente como seria de esperar!
Mas ainda é cedo!!!

terça-feira, maio 15, 2018

Voltar ao lugar onde se foi feliz

Parei o carro em frente ao portão.
Apercebi-me que pouco a pouco deixei de cá vir.
A casa foi deixando de ser minha devagarinho, numa despedida silenciosa e delicada. 
De repente dei conta que há muito não me sento nas escadas da casa vazia com um livro nas mãos, pretexto tantas vezes usado para por aqui me demorar um bocado.
A casa não tem ruidos.
O cão já não ladra aqui, não há riso nem choro, não há música.
A casa não tem já a cor da minha desarrumação, a luz generosa que entra pelas janelas não encontra já o mesclado de tons fortes com que sempre me rodeei. 

Mas tem-me.
Ou tenho-a eu a ela nas memórias que trago.
De filhos ainda bebés, de festas, de momentos solitários, de acidentes domésticos, de musicas, de feijoadas, grelhados, caris, de cerejas...

Mas estranhamente tenho ainda aqui as minhas orquídeas.
Dão-se bem nestas janelas, ecossistema favorável, de luz, humidade, calor.
Venho rega-las de vez em quando (muito menos vezes do que devia) e penso sempre que tenho de as levar....
São a parte de mim que aqui ficou. De pedra e cal!

Vou ver a caixa do correio.
E saio sem saber quando voltarei.

(Escritura de venda dentro de sensivelmente 1 mês)




segunda-feira, maio 14, 2018

O cinema é já ali!

Fomos ao cinema.

A 10 km  de casa.
E decidimos ir ... - a pé!

:)



(Ah! O filme: Vingadores - guerra do infinito. Confesso que adormeci e perdi um bom bocado....)


sábado, maio 12, 2018

Bolas

Há sempre um momento nos casamentos em que me comovo!

E lá fico eu de lágrima no olho.

Felicidades aos noivos!









segunda-feira, maio 07, 2018

Ousadias



Faz hoje um ano estava a fazer uma comunicação suigeneris num congresso.
Eu e o meu colega M decidimos apresentar o nosso trabalho usando fantoches à conversa.

Para nós os dois foi muito divertido!!! 
😄

Mas perdemos o contacto com a plateia e portanto não conseguimos perceber bem como foi recebido....

E olhem.
Repetiria!


domingo, maio 06, 2018

Lisboa


Hoje foi dia de passear a pé por Lisboa.
O menino Boop foi a uma (das 500.000) festa de aniversário e eu e a menina Boop aproveitámos para esticar as pernas.
É bom andar a pé.

Passamos por sítios que me trazem memórias.
Umas partilháveis com ela, outras não.

Lisboa é uma cidade linda!
(e com turistas a mais!)

7 km nos pés.
Mil descobertas para ela (e algumas para mim)

Aqui e ali tive vontade de partilhar lugares.
Às vezes partilhei, outras não faria sentido.

Por ordem de fotografias das esquerda para a direita:
a) Inicio da calçada do combro, b) jardim da estrela, c) S. Bento, d) elevador da Bica, e)Travessa da Espera (Bº Alto), f) loja Pop Cereal na Rua do Norte (Bº Alto) - onde a menina Boop queria passar, cereais de todos os lados, n marcas, e a banda sonora... Manuel Cruz! Surpreendente ali, mas agradável de certa maneira, a musica que passava era esta (uma das partilhas que não fiz!), g)  um eléctrico (turístico que faz o percurso do 28), h) um grafiti na Rua do Norte



E...
a) menina Boop no miradouro de S. Pedro de Alcântara, b) Jardim S Pedro de Alcântara, c) Jardim do Príncipe Real, d) Rua do sol ao Rato, e) pausa para descanso, f) igreja do Sto Contestável - Campo de Ourique


quinta-feira, maio 03, 2018

Impressões


De regresso à pátria (é verdade que não sou ateniense nem grego, mas sim um cidadão do mundo - querendo dizer que aprecio mais o conceito que a pátria é o local onde nos sentimos bem e pertença).

A viagem correu bem.
O sol e o mar quente, as dunas, os pássaros, a pele queimada.
A companhia de colegas e amigos numa semana de semi-férias.
O "tudo incluido" no hotel que me permitiu (pelo menos) um cálice de espumante todos os dias. (Não vos vou dizer o que bebi mais para não ficarem mal impressionados! Ahahah)
A actividade no congresso que correu muito bem! :) 

E este Brasil...
De eternos contrastes, a que não consigo habituar-me nem ficar indiferente.
Um povo de muitos milhões... (de muitas pessoas, de muitos ricos e muitos mais pobres, de muitos drogadictos, de muitas favelas, de muitas elites, de muita manipulação de informação, de muitos bons homens e mulheres a quererem pensar o seu país, de muitos que amam o seu brasil e tantos outros que sonham com uma europa (ilusoriamente) redentora)

Mas estou de volta!
Para os nossos poucos milhões.

Deixo-vos uma pérola da musica brasileira que todos os dias integrava as aulas de "AquaDance" no fim de tarde na piscina do hotel.



terça-feira, abril 24, 2018

Acabou

Terminou hoje o concurso de escrita criativa em que aqui a Boop se meteu.
Terminei num honroso 16º lugar (cerca de 200 inscritos - alguns foram ficando pelo caminho)
Constatei que os textos que menos gostei foram aqueles em que obtive melhor pontuação... pronto... teremos critérios diferentes... fazer o quê?!!?

Deixo-vos o último - um dos que eu não gostei, mas eles sim!
(e perdoem-me os "ouvidos" mais sensíveis, não tenho como costume dizer tanto palavrão!)


Na noite de Natal é sabido que ninguém anda de autocarro!
Todos jogam aquele jogo hipócrita das famílias felizes de pais e filhos amantíssimos, onde a tia velha é resgatada ao lar imundo onde foi largada para apodrecer, e se convida o vizinho que anda sozinho o ano inteiro sem ninguém lhe ligar patavina.
Acontece que eu sou o vizinho.
E este ano mandei-os todos à merda!
Não quero saber da família perfeitinha de ninguém. 
Que a metam no cu se quiserem!
Dá-se que preciso de apanhar o autocarro.
Preciso pode dizer-se que é uma figura de estilo.
Não vou ficar em casa a olhar para ontem como um velho a definhar!
Estou sozinho porque quero, entendem!?!
E faço o que me apetecer!
E quero apanhar o autocarro!
A porra da rua está deserta e não vejo um autocarro há uma eternidade. Sinto o cheiro a paz podre que exala das casas todas. 
Dá-me fome! 
Uma posta de bacalhau é que era!
Tenho o velho hábito de ir espreitar os caixotes de lixo da paragem, não fazem ideia das coisas que já lá encontrei, uma vez até dei com um bilhete da lotaria, mas não me calhou nada.
Hoje nem lixo há.
Só papelada. Mas não há mais nada para fazer.
Até uma carta, ou um bocado de carta, uma tira, escrita com uma letra miudinha e retorcida.
Diz assim: “... e custou-me muito  (...) vou passar o Natal com a Rita (...) não quero que penses que (...) e ficar com o bebé. Tu não (...) vais fazer-me falta (...) que fiques triste (...)”
Foda-se! Quem é que abandona alguém na noite de Natal?
Mas que belo presépio!
O envelope tem remetente.
É isso que vou fazer esta noite.
Vou encontrar a casa deste filho da mãe.

segunda-feira, abril 23, 2018

P.S.

Vou até ao Brasil e já venho
(levar trabalhos a congressos é sempre um bom pretexto para viajar!)

domingo, abril 22, 2018

Miguel Torga

(A procurar material para um trabalho que vou levar a um congresso na próxima semana. E vou-me perdendo, aqui e ali, o que acontece sempre quando me demoro na poesia)


Apelo

Porque
não vens agora, que te quero
E adias esta urgencia?
Prometes-me o futuro e eu desespero
O futuro é o disfarce da impotência....

Hoje, aqui, já, neste momento,
Ou nunca mais.
A sombra do alento é o desalento
O desejo o limite dos mortais.





O'Neill

(A procurar material para um trabalho que vou levar a um congresso na próxima semana. E vou-me perdendo, aqui e ali, o que acontece sempre quando me demoro na poesia)


O AMOR

é o amor
O amor é o amor - e depois?!
Vamos ficar os dois
a imaginar, a imaginar?...

O meu peito contra o teu peito,
cortando o mar, cortando o ar.
Num leito
há todo o espaço para amar!

Na nossa carne estamos
sem destino, sem medo, sem pudor,
e trocamos - somos um? somos dois? -
espírito e calor!

O amor é o amor - e depois?!



Alexandre O'Neill
in:Abandono Vigiado(1960)





sábado, abril 21, 2018

Prince

Prince
Há 2 anos já....
Foi/é lembrado aqui.






sexta-feira, abril 20, 2018

Apeteceu-me! :)



"Num único beijo saberás tudo aquilo que tenho calado"


Pablo Neruda



quarta-feira, abril 18, 2018

Cinema servido ao almoço

Não há fome que não dê em fartura de quando em vez.
Quis o acaso que os meus horários se organizassem para ontem e hoje ter umas horas de almoço mais prolongadas.
(não vale a pena ter inveja porque acabei por sair perto das 21h nos dois dias!)

E rumei ao cinema!
Ontem com "Madame"
Hoje com "Lady Bird"

Na verdade gostei dos dois!
A ver se tiverem oportunidade!






PS - Poderia escrever sobre o facto de hoje ter estado completamente sozinha na sala de cinema - mas fica para outro dia! - digo só que foi agradável a experiência!