domingo, março 01, 2009

Maturado!

A música...


(imagem daqui)

No passado fim de semana participei de um workshop que cruzava a minha área profissional com a música. Participar neste workshop foi uma decisão difícil. Ocupava o fim de semana inteiro, o que significava que iria lá estar no dia do meu aniversário, ao invéz de ir passar o fim de semana fora com o Mr Boop.

Não foi fantástico mas sempre se aprende umas coisitas!
E faz pensar...

Uma das sugestões do formador foi que pensássemos se quereríamos música na altura da nossa morte, e se sim, qual. Até sugeriu que fizéssemos um testamento musical, onde indicássemos quais as músicas e onde as podiam encontrar. Eu... não quero! Ou pelo menos não acho que isso seja o mais importante! Preferia ter comigo as pessoas que gosto. Ou a ter um som que fossem as vozes alegres dos meus filhos a brincar. Não preciso da música.

Mas a música nunca foi uma prioridade da minha vida! Às vezes tenho uma certa inveja de quem respira música. De quem ouve uma peça e é capaz de dizer "Ouve agora, no próximo compasso entram as cordas.... e agora... a flauta", de quem domina um instrumento, de quem tem uma voz bonita e harmoniosa. De quem respira compassos, colcheias, claves e ritmos. Eu não sou assim.

Se pensar bem... quase só oiço música enquanto conduzo. E mesmo assim, há alturas que preciso de silêncio. Devo ter um qualquer deficit auditivo que às vezes transforma harmonia em ruído, especialmente quando estou mais cansada.

E continuo a maturar.........

(ver P.S. em baixo)

9 comentários:

as velas ardem ate ao fim disse...

Bjo e boa semana

Fatyly disse...

Mesmo atrasados os meus sinceros parabéns e que contes muitos.
Gosto de música, mas nunca fui uma louca-dependente-de-música e por vezes passo dias que não oiço nada. A conduzir muito menos, porque há que ter atenção a sons que venham de fora:)

Mas deve ter sido bastante interessante embora se fosse comigo essa do testamento musical seria dificilimo embora sendo eu oriundo de um país onde é tradicional haver música, dança e cantares...perante a morte, o morto ou funeral.

Parabéns pelo post!

Beijocas

nutmeg disse...

Eu, tal como tu (ao contrário do "Mr Nutmeg" ;D) também não respiro música. Gosto de ouvir no carro e de vez em quando, quando estou ao computador e pouco mais.

nutmeg disse...

Ah, e PARABÉNS :D!!!

Abobrinha disse...

Antes de mais PARABÉNS!!!

Eu tenho uma relação idêntica com a música. Afinal, somos as duas "Carrie Bradshaw". Lembras-te da altura em que ela namorou um músico de jazz?

Não sei bem o que andas a fazer, mas podes querer ir onde eu fui este fim de semana: à Casa da Música (no Porto, claro). Faz mesmo uma visita guiada para perceberes a relação da casa com a cidade. Pode ser que te aconteça o mesmo que a mim: se já amava a casa da música por a ver de fora, fiquei perdida e irremediavelmente apaixonada por ela depois de a ver e a compreender.

Boop disse...

Abobrinha,

És do Porto!
(não te situava em lado nenhum...)
;)

Eu vou andando mais aqui por Lisboa.
O Workshop foi nas instalações da Orquestra Metropolitana de Liboa, não é um edificio com história. Mas fomos ouvindo as aulas, os ensaios... um violino aqui, um piano ali, uma flauta... Agradável!!!

E não sabes o que eu faço????

Ora, tens de estar mais atenta!

Abobrinha disse...

Boop

Não sou do Porto, mas de perto do Porto. O que, na prática, vai dar ao mesmo, porque a minha vida social está toda lá.

Não, ainda não me dei conta do que fazes. Na volta por não ler o teu blogue há tempo suficiente. Tenho que ler mais para trás e estar mais atenta.

mjf disse...

Olá!
Cheguei um pouco atrasada para te dar os parabéns :=)
Mas recebe um xi-coração apertadinho e o desejo que todos os teus sonhos se realizem ...
;=)

Beijocas

Haddock disse...

mau... mna boop, 'tou inconsolável...
parabéns muito contrariados, prontos!!!
e mais não digo!!


...
quanto ao workshop, achei muito interessante!!
não há quem não tenha tido um qualquer pensamento fúnebre e feito uma associação musical...
que belo motivo para um "tapete preto"!!!
(ai as saudades do "nosso" psico-drama...)
e vá lá que agora a nova geração de psis inventa pretextos novos!! já chateava a banquinha de mercado das emoções...