sexta-feira, fevereiro 10, 2017

Bairro Alto


Isabel passeava distraída por esta cidade que tanto gosta. Conhece-lhe os caminhos e por isso muitas vezes não atenta aos pormenores. Segue metida com os seus botões, embrenhada em pensamentos, evita encontrões, sorri aos rostos estrangeiros.

Gosta das ruelas escondidas, onde os turistas escasseiam. É nelas que a atenção se foca.
Nota o recorte dos edifícios, as roupas estendidas, a tinta envelhecida.
As ervas que furam os intervalos da calçada, o rio que parece correr manso lá longe no sopé da colina.
E encontra uma porta para os sonhos desenhada numa parede. Um convite. "Sonha".

Algures no Bairro Alto
Telemóvel
Clic
SMS "lembrei-me de ti"

Tem de explicar-lhe depois.
Não é ele o sonho. Ele é bem real.
Foi no mundo dela que se abriu um espaço para o sonho quando ele chegou. Por ele, para ele encontrou formas de se expressar, explorou mundos adormecidos dentro dela, aprendeu a nomear afectos, conheceu-se nos segredos partilhados.
Faz parte dos sonhos dela sim. Mas desta maneira tão única.

E segue caminho
Aquecida nesta tarde fria por este pensamento.
De que alguém, à distância de um SMS, lhe alimenta os sonhos.







1 comentário:

AC disse...

O título do post é Bairro Alto, mas bem poderia ser "Bairro de Afectos". Porque conjuga espaços, olhares, sentires, em harmoniosa conjugação. E isso é muito.