segunda-feira, novembro 13, 2017

Arundhati Roy

Há uns anos, atraída pelos prémios que a obra tinha recebido li "o Deus das Pequenas Coisas".
Foi já há muito tempo - uns 20 anos talvez.
Não me lembro muito bem do enredo. Mas lembro-me de que gostei, gostei o suficiente para o oferecer a amigos.

Este ano, passeando pela feira do livro, dei com um novo livro de Arundhati Roy. Nenhum romance foi escrito entretanto. 20 anos depois nova obra.
Comprei sem hesitar.

Não peguei nele imediatamente.
Ficou uns meses em espera.
E depois... foi lido lentamente.
Um retrato de uma Índia que desconheço (sempre foi um mistério para mim a Índia...) e de Caxemira, entalada entre Índia, Paquistão e China.
Um universo de Castas, de policia armada, de milícia, de revolucionários, de dialectos e línguas oficiais, o mundo caótico de Nova Deli, os milhões de pessoas, e a história contada pela voz de uma hijra ou seja de uma transexual.

Como disse foi lido lentamente...
(o que me fez perder às tantas o nome de tantas personagens com nomes nada ocidentais)
Terminado numa madrugada solitária deste fim de semana.

Aconselho!

Sem comentários: