domingo, maio 27, 2018

Na palma da mão

Tenho a estranha sensação de que as palavras não me visitam.
Que estou vazia de estórias, ou de poesia...
Que não encontro a forma de traduzir as coisas que me encantam, ou talvez sejam tão fugazes que me escapam.

Queria saber escrever um texto leve e terno como um beijo depositado na palma da mão.
Que evocasse o toque de uns lábios doces, nesse encontro lento, com uma mão aberta.
Nesse cruzamento único de intimidade e inocência, algo etéreo, inefável...

"...mais les mots me manquent"

Terei de aguardar o momento em que o sentir encontre uma linguagem com que se exprima. Letras juntas, formando signos, prenhes de significados, num encadeamento único, que não sendo perfeito será "o meu".

Entretanto...
... fico com esta ideia, de um beijo dado com candura na palma da mão.

8 comentários:

Manuel Veiga disse...

dizem-(me) velhas bruxas (e feiticeiras) que a palma da mão é o cruzamento de todas as linhas...

Calíope disse...

Mesmo sem a visita das palavras, conseguiste fazer aqui um belo cozinhado com os restos que devia haver aí por casa :)

Pedro Coimbra disse...

Para quem não recebe a visita das palavras ficou aqui um post belíssimo.

Ana disse...

Um belo texto, gostei! =)
Beijinhos,
https://chicana.blogs.sapo.pt/

Mar Arável disse...

Quase tudo se conquista

Fatyly disse...

Tu realmente és excepcional e mesmo "vazia de palavras" fazes esta magia cheia de tudo. Parabéns garota linda:))

Beijocas e uma boa noite

Boop disse...

Manuel Veiga,
"No creo en brujas, pero que las hay, las hay..."
Ahahaha

Caliope,
É que me apetece escrever mas depois.... Não tenho assunto... Fui buscar um beijo que andava por aqui guardado!
;)

Pedro Coimbra,
Olhe.... Faz-se o que se pode!
Obrigada!

Boop disse...

Ana,
Duplo obrigada, pela visita e pelas palavras!

Mar Arável,
... não os beijos! :)
Esses quanto menos conquistados melhor!
A inspiração... É a conjugação das palavras... Essas dim! Têm de ser trabalhadas.

Fatyly,
És uma querida!!!!
Obrigada!!!