domingo, março 12, 2006

Ao som do violoncelo


É por isto que gosto de ler!
Por poder ouvir o som do violoncelo...

"O violoncelista começa a tocar o seu solo como se só para isso tivesse nascido. (...) Os outros músicos olham-no com assombro, o maestro com surpresa e respeito, o público suspira, estremece, o véu de piedade que nublava o olhar agudo da águia é agora uma lágrima. O solo terminou já, a orquestra, como um grande e lento mar, avançou e submergiu suavemente o canto do violoncelo, absorveu-o, ampliou-o como se quisesse conduzi-lo a um lugar onde a música se sublimasse em silêncio, a sombra de uma vibração que fosse percorrendo a pele como a última e inaudível ressonância de um timbale aflorado por uma borboleta"

"...o que impressionava era ter-lhe parecido ouvir naqueles cinquenta e oito segundos de música uma transposição ritmica e melódica de toda e qualquer vida humana, corrente os extraordinária, pela sua trágica brevidade, pela sua intensidade desesperada, e também por causa daquele acorde final que era como um ponto de suspensão deixado no ar, no vago, em qualquer parte, como se, irremediavelmente, alguma coisa ainda tivesse ficado por dizer."

E por poder acreditar, por breves milésimos segundos, que até a morte deixa aquecer as suas mãos, que não são mais gélidas, e se deixa descansar, aninhada, como qualquer mulher, no corpo de um homem.

1 comentário:

Ivo Alonso disse...

Ahh sou o mano da xana... desculpa fiz um coment e não disse quem era...bjs