sábado, fevereiro 17, 2007

Sintese

"Era uma vez um imperador que gostava muito de borboletas. Um dia mandou chamar o pintor mais conhecido e admirado do Império e ordenou-lhe que pintasse uma borboleta. O pintor disse que para a pintar necessitava de uma casa grande e confortável que estivesse situada no lugar mais bonito do reino, alguns criados e o prazo de três anos. O Imperador concedeu os pedidos. Ao fim de três anos o Imperador mandou chamar o pintor ao palácio e quis saber se ele já tinha pintado a borboleta. O pintor pediu ao Imperador que lhe fossem concedidos mais três anos de prazo, os mesmos criados e a mesma casa. O Imperador voltou a conceder os pedidos.

Ao fim de três anos o pintor foi novamente ao palácio e, em frente ao imperador, em alguns segundos, com traço firme e sem levantar o pincel, pintou uma borboleta, uma borboleta tão bonita que nunca o império tinha visto outra igual. O Imperador, contente mas surpreendido, perguntou ao pintor para que tinham servido os seis anos se ele foi capaz de pintar a borboleta em alguns segundos. o pintor respondeu que foram os seis nos de conforto e reflexão que tinham permitido a síntese, em alguns segundos, de uma multiplicidade de gestos."


História contada por Alfredo Saramago no editorial "O prazer da sintese" da Revista Epicur de Jan/Fev 07

8 comentários:

bell disse...

Se bem que ele podia estar só a aproveitar-se das modormias...

Fatyly disse...

Não percebi o âmago da questão. O comentário de bell tem a sua lógica...mas sinceramente não percebi.
Desculpa.
Beijocas

Ines disse...

bem o que eu acho é que para se conseguir fazer qualquer coisa aparentemente simples e fácil, que consiga transmitir aquilo que realmente queremos, é preciso saber o que se está a fazer, ter certezas, sentir, saber.
A história fala do estético, aparentemente futil, mas o que eu pensei foi que realmente não podemos dar, por fora de nós, transmitir com verdade, qualquer coisa que não sentimos, que não nos pertence!

Enfim!

Reflexões...

mixtu disse...

que decir...
a verdade é que a obra nasce num momentus... mas o saber que levou a nascer a obra pode levar anos ou uma vida...

escelente texto...

inês... fui para a câmara de lisboa... yayaya

mfc disse...

Será que conseguiremos, um dia, fazer uma síntese assim da nossa vida?!

Anónimo disse...

Só que possívelmente o pintor morreu a seguir. E ficou tudo sintetizado.
Fica bem.
Manuel
http://de-proposito.blogspot.com/

Rafeiro Perfumado disse...

Eu se fosse o Imperador esse pintor ganhava um andar novo, com mais espaço entre as pernas...

Custódia C.C. disse...

O Alfredo Saramago é um bom contador de histórias.
Uma amiga que o conhece bem, convidou-me uma vez para um jantar onde ele estava presente. Foi uma noite que voou, povoada pelas suas belas histórias :)