terça-feira, janeiro 17, 2017

É isso e couves!

Ainda a propósito das couves:

Às vezes penso que sou mesmo uma menina de cidade, algo pedante e afastada da dureza da vida.
Não tenho história familiar próxima de viver do que a terra dá.
Não sei o que é "comer o que há"
Sempre tive árvores de fruto, e uma horta (assim pequenita) com espinafres e umas cebolas. Sei o que é apanhar um fruto da árvore e comer. Ou ir apanhar um limão ou uma laranja para fazer um sumo, louro para um assado, Lúcia-lima para um chá, espinafres para a sopa, ...
Mas faz-me confusão ter de comer porque "é o que temos agora, até porque depois vai estragar-se!"
(Eu avisei-vos que tinha o seu quê de pedante este post!)
As couves.... Foram apanhadas, e por isso tinham de se comer!
Não as apanhei eu.
Não as pedi.
Não as quis.
E no entanto ali estavam e havia que as usar. "Quer queira, quer não"!
Sinto-me aprisionada (nos meus desejos e na minha criatividade) quando me impõem batatas, cebolas... ou couves!

Pronto... sou uma menina da cidade!


PS - a feijoada ficou deliciosa! 7 à mesa! Boa comida, bons amigos e bom tinto! Horas tão bem passadas que nem me ocorreu fotografar a panela para partilhar as ditas couves cozinhadas! 😉

1 comentário:

AC disse...

Ainda bem que nunca tiveste que comer o que simplesmente havia, a escolha é sinónimo de qualidade de vida. Mas isso não é problema, longe disso, problema é para quem tem comer aquilo que há, quando há. E, sei que sabes isso, há mesmo muita gente sobrevive com o que vai aparecendo. Parece que há mesmo uma enorme diferença entre viver e sobreviver.

Abraço