terça-feira, junho 06, 2017

A cidadela branca - Orhan Pamuk

 



Dois homens, um escravo (de origem italiana) e um mestre (turco), na Istambul do séc XVII. Estes dois homens são fisicamente idênticos o que os perturba e confunde. Debatem-se à exaustão sobre o "Quem sou eu?"  e o "Porque sou o que sou?"
Um jogo de espelhos interminável, diabólico, onde as fronteiras entre um e outro se vão diluindo, onde lucidez e loucura se confundem. 

A minha opinião:
Fraquinho!
Li-o até ao fim por teimosia.


Sem comentários: