terça-feira, novembro 10, 2015

Balneários: um estudo




Ele há coisas que se pensam quando se está num balneário.
Diria que é inevitável (ao estilo de Ricardo Araújo Pereira)

Mas o que dei por mim a pensar no outro dia foi o seguinte.
Há mulheres cujo corpo é belíssimo.
Nem falo daquelas que atravessam nuas os balnearios para exibirem o seu corpo trabalhado, recauchutado com silicones, afinal se não for ali, e fora da intimidade do quarto, não o poderão mostrar na integra a mais ninguém. Estas não me consomem tempo com pensamentos e questões.

Falo das outras (não são muitas). Corpos bonitos, desenhados, tudo perfeitamente proporcionado. Corpos cuidados, depilados, hidratados. Mas…. que contra todas as expectativas não são bonitas.
Falta-lhes qualquer coisa.
Alegria?
Sinto-as desvitalizadas, deserotizadas.
Nos rostos não há afabilidade, o olhar algo vazio, falta o calor dos afectos.
Não têm brilho.
E deixam-me incomodada, como se algo ali não batesse certo.

Estes corpos perfeitos, (bonitos mesmo!) existem para quê?
Serão seguramente agradáveis à vista… ao toque… mas……...


1 comentário:

Fatyly disse...

Concordo perfeitamente com a tua análise e por vezes dou comigo a pensar que por vezes é doentia essa busca incessante por "corpos perfeitos", "mas"...continuo sem perceber a razão de toda essa transformação como se não houvesse amanhã!

Beijos e um bom dia